Mar Salgado

sábado, julho 23:

FOGO QUE ARDE SEM SE VER O MINISTRO! O país continua a arder e o Ministro continua muito provavelmente a banhos. Este paradoxo entre o elemento água e o elemento fogo continua a incomodar-me. Aos outros, curiosamente, não. Noutros tempos, o Ministro da tutela era acusado como sendo o incendiário desta mata toda e incinerado em holocausto pelos jornalistas. Agora não, estará provavelmente numa cura de águas enquanto o país se queima todo. Bendita comunicação social. Com um pouco de sorte, os incêndios nem virão na revista anual do Expresso. Alguns têm falta de água para apagar os fogos, outros têm o fogo protector da água benta.
 

posted by VLX on 2:54 da manhã # (6) comments

BRINCADEIRAS DE CRIANÇA VII: Para finalizar, queridíssimo leitor de 6 anos, queria dizer-lhe que para implementar esta grande alteração pretendida pelo Ministro é proposta a criação de uma burocracia imensa. Era inevitável, não era? - Pois era. A questão é saber se isso resolve alguma coisa ou não, se torna o jogo mais rápido ou de melhor espectáculo ou não. Procurei demonstrar-lhe que não. Se no máximo se recuperarem dois dias no campeonato vai ser muito. Mas vai prejudicar a defesa das pessoas, dos particulares, em primeira linha. É também, muito provavelmente, uma medida inconstitucional. Tal como tem sido apresentada, não vai melhorar em nada a situação da justiça, muito pelo contrário. Tal como está prevista, não responde aos problemas nem resolve as questões que levanta.
Trata-se apenas de mais uma operação populista própria apenas daqueles que julgam que as coisas se resolvem por decreto. Pelo meio, meteu tudo no mesmo saco: como em qualquer profissão, há gente boa e trabalhadora e gente mais preguiçosa. Este ministro tratou todas as pessoas da mesma forma vexatória mas os que não trabalhavam estão-se nas tintas e os que se esforçavam sentem-se naturalmente defraudados e injustiçados. O Ministro não separou o trigo do joio e, mais tarde ou mais cedo, irá perceber as implicações negativas desta atitude.

O Ministro da Justiça quis reduzir a qualidade e brio dos magistrados judiciais, do MP e dos funcionários judiciais à qualidade dos edifícios, instalações e meios que lhes oferece para o seu trabalho; e quis responsabilizar os primeiros pelos problemas que muito provavelmente apenas os segundos justificam. Até pode ser que o tenha feito por pura ignorância, mas a coisa não lhe poderá correr bem.

post scriptum: o leitor de 6 anos poderá estar a pensar que este matulão está para aqui a escrever tanto apenas porque está nas férias judiciais. Retiro-lhe desde já o argumento: eu não estou em férias judiciais, estou em férias funcionais: no princípio de Agosto cá estarei, de bexiga aliviada, a trabalhar arduamente. Em férias judiciais.
 

posted by VLX on 2:12 da manhã # (1) comments

BRINCADEIRAS DE CRIANÇA VI: A regra do Ministro é, de resto, facilmente demonstrável como absurda (estúpida, para um leitor de 6 anos) e de como foi feita sobre o joelho. Nesses 15 dias de Julho, diz o parecer do CS do MP, é impossível os jogadores do Estado estarem a fazer mais do que simplesmente realizar os jogos urgentes. O que quer dizer que durante esse período e do outro lado da mesa estão os outros jogadores a lançar bolas sem resposta; jogam as bolas para o campo do adversário e este anda a tratar dos feridos.
Sendo assim, o que acontecerá é que retomados os jogos em clima normal a 1 de Setembro, os jogadores do Estado andarão a ripostar e a devolver as bolas acumuladas, muito provavelmente durante os 15 dias seguintes, o que anulará o espírito das regras do Ministro.

Por outro lado, custa-me a crer que este Ministro respeite as regras fundamentais do jogo (vulgo constituição). Uma regra que determina que o jogo esteja em funcionamento para uns - advogados, arguidos, réus - e que não está para outros - juizes, magistrados do MP e funcionários judiciais - não me parece que respeite um clima de igualdade que deveria prevalecer entre os jogadores. O facto de uns poderem ir beber e verter águas e os outros não não pode estar bem. E se os adeptos - público em geral - se deixassem de clubices, perceberiam que o que está em causa é a possibilidade de terem menos chance na vitória pois os que os defendem terão menos tempo para preparar as jogadas.
Ao fim e ao cabo, o que irá acontecer é que os defensores estarão ainda em jogo e de bexiga apertada quando, do outro lado, já se aliviam os outros jogadores. Convinha que os grandes regradores do jogo (vulgo, Juizes do Tribunal Constitucional) analisassem a questão. É bem certo que o Ministro, alertado para o facto e demonstrando uma vez mais ter feito as coisas em cima do joelho, já veio anunciar pretender rever a situação dos grandes regradores mas, mesmo assim, devemos confiar mais neles do que em quem aterrou sem se saber como no Ministério da Justiça.
 

posted by VLX on 1:38 da manhã # (0) comments

BRINCADEIRAS DE CRIANÇA V: Alguns dos jogadores (chamam-lhes juizes) tentaram explicar isso àquele que queria alterar as regras - o tal Ministro da Justiça - mas ele não percebeu e, com aquele ar arguto e à frente de todo o público, chamou-lhes preguiçosos, mesmo aos que mais se esforçavam por ganhar jogos, o campeonato, a taça, aqueles que se esforçavam para oferecer às estatísticas desportivas do Ministro bons resultados. Mesmo assim, tentou-se ainda pacientemente explicar uma regra óbvia ao Ministro, julgo até que com recurso a desenhos: o jogo tem de estar em funcionamento para todos ao mesmo tempo, e parado para todos ao mesmo tempo. As coisas não funcionam se estiver a funcionar para uns e, ao mesmo tempo, parado para outros. Nem faz sentido, isso.

Qualquer leitor de 6 anos já teve esta experiência, a do colega batoteiro que perante uma sucessão terrível de bolas pára o jogo clamando "pára, pára, tenho de ir ao quarto de banho!" ou "não podias começar já, ainda não estava preparado!"
Num jogo de ping pong, este tipo de coisas ainda se pode aceitar mas na Justiça não. Há uma altura em que todos têm de estar preparados, haja o que houver; há uma altura em que se pode respirar e ir fazer o tal xi-xi.

Como os desenhos não tinham funcionado, o Conselho Superior do MP elaborou um parecer escrito e em linguagem simples onde tentava explicar ao Ministro que era impossível que todos os jogadores (e nem incluía nesse grupo a selecção dos advogados) fossem ao mesmo tempo fazer xi-xi no mês de Agosto. Para que houvesse sempre jogos na arena durante os 365 dias do ano - e em particular no mês de Agosto - seria sempre necessário, no mínimo, que os jogadores dependentes do Estado fizessem as férias entre o dia 15 de Julho e o dia 31 de Agosto. E, mesmo assim, só se conseguiriam ocupar as mesas de ping pong mais urgentes, por turnos, nunca aquelas que o Ministro pretendia.

Este último, na altura já completamente desembastado e confundido com o emaranhado de regras, ainda sem perceber bem onde tinha ido meter a colherada, disparou furiosamente dizendo que os jogadores (os dependentes do Estado, recorde-se) poderiam então ir fazer as suas férias e os xi-xizitos que quisessem a partir de 15 de Julho, mas que os jogos continuariam a realizar-se até 31 do mesmo mês.
Nesta fase começou a pensar-se se haveria juízo no Ministério da Justiça: poderão fazer-se os jogos se uns quantos jogadores estão de férias e os outros não? Como é que é? Jogo contra quem? E porque é que aquele menino tem mais tempo do que eu? Também quero ir fazer xi-xi!
 

posted by VLX on 1:32 da manhã # (0) comments

BRINCADEIRAS DE CRIANÇA IV: Aqui chegados, pressupõe-se que o jovem leitor já assimilou algumas das regras do jogo, a saber: ele não pára, funciona durante todos os 365 dias do ano - com excepção de algumas jogadas -, existem inúmeros jogadores, cada um na sua especialidade, os espectadores (utentes), principalmente os mais necessitados, nunca deixam de assistir e de intervir no espectáculo. E grande parte da dificuldade do jogo está no tempo disponibilizado para se jogar, o qual nunca tem intervalos que não estejam previamente definidos, regulamentados, sendo necessariamente iguais para todos.
Acrescento algumas regras, estas iguais a todos, jogadores ou não deste jogo, e destaco esta: toda a gente tem direito ao seu xi-xizinho. Seja ele de 22, 25 ou 28 dias, toda a gente tem direito a passar esses dias sem nada fazer, sem jogar, sem trabalhar, a coçar a barriga, em plenas férias, e contínuas se isso lhe aprouver. Pois estes jogadores de ping pong também: eles têm de poder estar esse período sem nada fazer.
Mas o nosso Ministro da Justiça, que nunca leu - ou se leu não percebeu - as regras do jogo, veio dar um murro na mesa e dizer que os 31 dias de Agosto chegavam para o xi-xi, apenas porque o partido dele o tinha prometido (se eu estiver a ir depressa demais, o leitor de 6 anos que me avise).

Acontece que não chegava: se fossem todos os milhares de jogadores fazer xi-xi ao mesmo tempo, no mês de Agosto e só nesse mês, seguidinho como é seu direito, o jogo parava, o espectáculo parava. As pessoas, mesmo com bilhete, ainda que com bilhete vip como costumam ter os ministros e certos deputados, chegavam ao auditório e não havia nada, estava tudo vazio, não havia jogo, não havia jogadores, não havia árbitros, auxiliares, apanha-bolas, nada! Não havia jogo nesse mês de Agosto e, cumprindo-se todas as regras do fabricante, não havia jogo ainda para lá desse mês.
(cont.)
 

posted by VLX on 1:22 da manhã # (0) comments

BRINCADEIRAS DE CRIANÇA III: A justiça movimenta milhares de pessoas, entre juizes, ministério público, funcionários judiciais (estes, ligados ao Estado) e advogados (geralmente independentes). Ao mesmo tempo, o sistema está fortemente arreigado à questão dos prazos. As pessoas têm prazos para praticar os actos a que são obrigadas e esses prazos não são meramente indicativos, são para se cumprirem sem possibilidade de se poderem praticar fora dos prazos determinados (a coisa mais parecida com um prazo judicial é talvez apenas a data marcada para a abertura de um grande centro comercial...). Neste jogo, não vale vir dizer-se que se estava de férias, doente, que se perdeu a notificação ou que não se conseguiu: segundo as regras do jogo, enquanto se está em jogo, presume-se que as cartas expedidas foram recebidas após determinado prazo a partir do qual se conta o prazo para se agir, para se jogar, seja ele de 3, de 5, de 10, 15, 20 ou 30 dias. Se jogar, jogou. Se não jogar, jogasse. Perde a vez. Sai fora. Sai fora sem mexer nos indicadores, como sancionava um antigo jogo da minha infância. E as regras tendem a ser iguais para todos: o leitor perceberá certamente que seria batota o jogador A (ministério público, por exemplo) poder ter mais tempo para jogar que o jogador B (o arguido, mesmo que por intermédio do seu advogado).

Imagine então o leitor de seis anos um jogo de ping pong, com a bola sempre de um lado para o outro, com vários intervenientes e a realizar-se em várias mesas, durante todo o ano e durante o qual não se pode ir fazer um xi-xi. A bexiga é apenas aliviada 5 dias na Páscoa, 6 ou 7 pelo Natal, e parcialmente durante dois meses no verão. A questão anda a pôr-se no seguinte: porque são necessários dois meses de verão para aliviar a bexiga num jogo de ping pong? - Já lá vamos.
 

posted by VLX on 1:18 da manhã # (0) comments

BRINCADEIRAS DE CRIANÇA II: Infelizmente raramente tenho tempo para intervir nas discussões que em comentários se formam nos meus posts, e quase nunca interfiro com anónimos. Mas não será esta a primeira nem a última excepção e vou tentar explicar duas ou três coisas para crianças de seis anos (cfr. comentários ao post aí em baixo). Estas, terão de acreditar numa premissa e aceitar outra. A primeira é que não me incomoda nada que se acabem as férias judiciais: acho apenas que se é isso que se pretende, devia o assunto ser estudado de forma séria, perceber-se primeiro para que servem, debater-se como deveriam ser substituídas, avaliar de que forma essa alteração beneficiaria ou aceleraria o funcionamento da justiça e, por fim, agir-se em conformidade.
Ao contrário, o que me parece é que existe um Primeiro-Ministro e um Ministro da Justiça que não percebem nada do seu funcionamento mas que, mesmo assim, foram em frente com uma medida impensada decidida num qualquer sótão, já tarde, que julgam popular, sustentando-a na ignorância das pessoas, defendendo-a sem o mínimo fundamento, apresentando-a apenas como uma ofensa vexatória e injusta para imensas pessoas que têm sacrificado a sua vida pessoal para defesa daqueles que se socorrem dos tribunais e do sistema. O facto do Ministro da Justiça ter acusado de forma infame as magistraturas, sem distinguir o trigo do joio, constitui, a meu ver, a mais ignóbil forma de fazer política já vista e não se admite, mesmo num ignorante da área que tutela.
Ao mesmo tempo, deviam os portugueses indignar-se contra os que fazem política barata, achando que os problemas se resolvem por decreto - se assim fosse, já não havia barracas em Lisboa, o Porto não passava barracas e todos os portugueses teriam casa própria e digna. Abram os olhos.
A premissa que o leitor terá de aceitar é que as férias judiciais não se confundem com as férias dos juizes. Sem perceber isto não vale a pena continuar a ler o texto e poderá manter-se na ignorância. Pelo contrário, se quiser discutir seriamente o assunto, o leitor terá de aceitar isto (o que não será difícil, se se lembrar daquele verão em que foi apanhado na 125 com álcool e em pleno Agosto foi ao Tribunal, onde estavam um juiz, funcionários, um delegado do MP e até um advogado para o defender. E era sábado. Ou então se se recordar destes julgamentos mais mediáticos que continuam a realizar-se nas férias judiciais. Ou ainda daquela situação em que em pleno verão se teve de socorrer dos tribunais para que o ex-marido ou a ex-mulher fossem obrigados a deixá-lo/a ir a Badajoz com as crianças).
Acreditando e aceitando estas premissas, o leitor poderá talvez compreender o que se passa com o que tentarei descrever a seguir, acrescentando alguns exemplos (nunca suficientes), e perdoando-me as minhas naturais e conhecidas dificuldades.
(cont.)
 

posted by VLX on 1:14 da manhã # (1) comments

O QUE É A "INTEGRAÇÃO"? E O QUE É O "OCIDENTE"?: Tenho seguido com atenção a discussão que o nosso FNV tem mantido com vários bloggers e comentadores acerca do Islão, da negociação, etc.
Tenho aprendido muito. Porém, não o suficiente para entender este post de Pedro Picoito, onde se questiona "o que falhou" na "integração" dos bombistas de nacionalidade britânica e origem (ou fé, ou seja lá o que for) muçulmana. Essa é, do meu ponto de vista, a direcção que a polémica não deveria tomar. Porque a pergunta seguinte é óbvia: "o que falhou" na "integração" dos bascos da ETA, dos separatistas corsos do FLNC , dos italianos das Brigate Rosse, dos irlandeses do IRA, dos alemães do Baader-Meinhof...? E a resposta não pode deixar de ser: o que falhou foi o Ocidente.

 

posted by PC on 12:18 da manhã # (4) comments

sexta-feira, julho 22:

OS FRANGOS: Lembrando-me do post do nosso FNV, aqui há uns tempos, sobre o cobiçado Ricardo, fiz hoje uma pequena investigação no supermercado. O que torna um frango apetecível?
Bem, quem compra um frango chamado Kilom, não pode queixar-se de nada. O nome lembra logo rações (com químicos, antibióticos, pesticidas, hormonas, eu sei lá).
Já o frango Brudy, com a sua embalagem colorida e aquela fotografia da família sorridente colada no lombo pelado, provoca uma sensação estranha no cliente - parece algo fabricado com técnicas sofisticadas, como no filme do Louis de Funès. As dúvidas desvanecem-se quando lemos o tipo de alimentação a que o bicho foi submetido: cereais e algas algatrium. Desculpem, mas não lembra ao diabo alimentar um frango com algas, mesmo que sejam muito saudáveis. Se tiver de ser, mais vale não fazer reclame.
O pior foi ver o frango da Campoaves. É um frango mais sóbrio, alimentado com 80% de cereais, apresentado no seu semi-caixãozinho preto, com cor de cadáver natural. Mas que raio leva alguém a conceber a ideia de atar, por baixo dos restos mortais do galináceo, uma t-shirt grátis? Haverá algo que me escapa? Existirá mesmo uma clientela-alvo? E se sim, como se chama ele(a)?
Comprei um tamboril.

 

posted by PC on 11:41 da tarde # (1) comments

AS SAUDADES QUE NÓS TÍNHAMOS: "Existe um casamento perfeito, uma paixão, entre Mantorras e o tecido social do Benfica": Gabriel Alves (2005).

 

posted by PC on 11:37 da tarde # (0) comments

JÁ AGORA: Sabendo que a chamada direita nunca elegeu um Presidente da República, seria interessante saber quem a chamada direita prefere para próximo Presidente da República: Manuel Alegre, Freitas do Amaral ou Mário Soares. Afinal, será Presidente de todos os portugueses.

 

posted by PC on 9:09 da tarde # (2) comments

COISAS QUE NUNCA EXISTIRAM ( ou o uniculturalismo explicado às criancinhas*):

"(...) Não estamos, contudo, a tratar de europeus: estamos a tratar de condenados pertencentes a uma raça de psicologia absolutamente diferente da nossa.(...)Ora, não estamos a legislar para europeus, mas para indivíduos representantes de uma civilização muito atrazada. Em princípio, o que se deveria fazer era que, tanto aos indígenas como a outros indivíduos da raça diferente da nossa, se aplicassem as penas que para nós eram aplicadas na Idade Média, penas cruéis, penas severas, mas que correspondiam ao criminoso."

Acta do Conselho Legislativo de Macau, 1 de Maio de 1923. O orador é o Secretário do Governo, bacharel Alfredo Rodrigues dos Santos, vice-presidente do Conselho. As actas estão coligidas na edição de 1924 da Imprensa Nacional de Macau, 858 páginas, sob o título "Conselho Legislativo - Actas de 1923".


*Pequena tricherie infligida ao Pedro Picoito do Mão Invisível: vão lá, que o debate com o Augusto M. Seabra está interessante, a coisa ainda vai durar; eu tenciono reentrar mas com um texto mais longo.
 

posted by FNV on 3:30 da tarde # (5) comments

quinta-feira, julho 21:

FREITAS E OS IMPOSTOS ESCONDIDOS: Muito se tem falado da entrevista de Freitas do Amaral (que era o que ele queria, aliás, deve estar aborrecidíssimo com esta última demissão), mas falam sobre aspectos acessórios, pequenas tricas, os disparates que ele disse, a vaidade flagrante, etc., etc. Para mim, toda aquela entrevista se poderia resumir, para não dar atenção desnecessária ao homem, à sua posição sobre os impostos. E, sobre isso, apenas vi José Manuel Fernandes, do Público, a referir-se ao assunto E, mesmo assim, JMF perde o cerne da questão e põe-se a dissecar os ditos de Freitas como se eles merecessem alguma discussão ou atenção.
Meu caro JMF: aqueles bizarrias com que Freitas do Amaral tenta desenvolver a sua peregrina ideia relativamente à política fiscal não merecem que se perca com elas dois segundos. O que importa reter é que este homem acha que não deve ser discutida em campanha eleitoral a questão dos impostos. Isto basta para não se dar mais relevância a qualquer coisa que ele diga.
Em qualquer país decente, em qualquer sociedade civilizada, a questão dos impostos é exactamente aquilo que as pessoas querem ver discutido. Saber quanto vai gastar o governo, como, em quê, onde irá buscar as receitas e como.

Freitas do Amaral, do alto daquele pedestal que ele vai laboriosamente aumentando todos os dias, acha que basta dizer à populaça: votem em nós, pacóvios, e depois logo se vê quanta massa a gente irá precisar para torrar e quanta lhes iremos retirar do bolso.
Isto é de alguém com juízo?
 

posted by VLX on 7:24 da tarde # (5) comments

AMIGOS, AMIGOS...: Há uma maioria estável no parlamento, um governo de maioria - mesmo que desgovernadinho de todo e incapaz de resolver a questão das finanças -, ministros à solta a falarem do que lhes dá na real gana (geralmente contra os seus pares), verifica-se uma enorme agitação social e alvoroço nas ruas, num clima de descontentamento geral e, para finalizar, um ministro demitiu-se apenas após quatro meses de governo.
Perante este cenário, e à semelhança do que tem feito, imaginar-se-ia que Jorge Sampaio iria anunciar de imediato a dissolução da AR (após atenta audição de 173 pessoas), mas este, estranhamente, não o fez.
Como os portugueses não querem imaginar que Jorge Sampaio seja um protector dos seus amigos no poder, a única razão plausível para se compreender que não vá a correr dissolver a AR é considerar que Jorge Sampaio entende que é menos importante para o país a demissão do Ministro das Finanças, Campos e Cunha, do que a demissão do Ministro do Desporto (como é que ele se chamava?...).
 

posted by VLX on 7:06 da tarde # (2) comments

quarta-feira, julho 20:

INTERLÚDIO: O tom provocatório dos meus textos sobre terrorismo, ocidente/oriente e representação, levou alguns comentários a extremos. Não no plano pesssoal, naturalmente, mas na qualificação das minhas teses.
O tom levemente provocatório que utilizei, destinou-se a atrair a atenção de leitores, bloggers e amigos, sobre alguns pontos que considero essenciais.
Considero essencial que se compreenda que existe um confronto entre concepções distintas do mundo, no qual a religião volta a ter um papel determinante. Considero essencial que se compreenda que as questões religiosas estão embebidas na tintura política, cultural e histórica: ligam-se à forma como as pessoas vivem diáriamente, como se vestem, o que comem, quando e por que rezam. Considero essencial que se entenda que a velha dicotomia ocidente/ Islão não sobrevive à realidade de 20 milhões de muçulmanos no espaço europeu. Considero necessário que um europeu, justamente indignado com a violência cobarde do terror, seja capaz de fazer o luto pela representação do seu papel no mundo: há gente que não quer viver como nós, há gente que dispensa a MTV. Por fim, considero crucial que se aceite o facto de as redes/células terroristas se suportarem num mais vasto cenário de identificação; Problemas novos requerem soluções novas.
Deixo-vos em paz por agora.


Interlúdio ( e breve), meus amigos, e apenas quanto a este assunto.
 

posted by FNV on 12:37 da tarde # (10) comments

BRINCADEIRAS DE CRIANÇA: Qualquer criança de dois anos compreende, ao fim de poucos minutos de tentativas, que não consegue colocar uma caixa dentro de outra mais pequena. Foi isso que o parecer do Conselho Superior do Ministério Público tentou explicar ao Ministro da Justiça. Nesse parecer esclarecia-se que as pessoas ligadas aos meios judiciais têm, como quaisquer outras, o direito de gozar as suas férias (chamou-se-lhe férias funcionais, para ver se o Ministro conseguia alcançar a diferença para as férias judiciais, que nada têm a ver com "férias") e de forma contínua. E isso não é realizável para toda aquela gente no espaço do mês de Agosto, seria sempre necessário utilizar ainda quinze dias (em Julho ou em Setembro), sem sobrar tempo para mais nada.
Embora tenha certamente mais do que dois anos, aparentemente o Ministro da Justiça não percebeu que a caixa grande não cabe na pequena e continua a tentar enfiá-la lá dentro.
 

posted by VLX on 12:25 da manhã # (6) comments

terça-feira, julho 19:

Da série "O QUE É O TEMPO?": A luz de uma lucerna que o Senhor ilumina. A de S. Agostinho, nas Confissões, claro: Daí que me tenha parecido que o tempo não é outra coisa senão distensão; mas distensão de que coisa, não sei, e será surpreendente se não for uma distensão do próprio espírito.
Agostinho desespera porque mede o tempo, mas não mede os noivos nem o padre: o passado, o presente e o futuro. Pos é Agostinho, já devias saber que só medimos o que nos cabe medir.
 

posted by FNV on 10:04 da tarde # (1) comments

BLANCHOT (outra vez, em tradução livre): Na "L'Écriture du désastre", narra a chegada do Messias às portas de Roma, por entre leprosos e mendigos; Chega incógnito e alguém lhe pergunta: "Quando vens?". O Messias responde: Hoje.
 

posted by FNV on 9:47 da tarde # (0) comments

QUANTOS SÃO? Quantos destes valentes estão dispostos a sacrificar-se sob o comando de Tibério na gruta de Capri? Quantos destes meninos valentes irão suar feitos novos cruzados, a sítios onde o ar condicionado é um projecto? Quantos destes heróis de pena solta oferecerão as entranhas a barbudos para quem a sodomia é um predicado? Quantos corajosos se despedirão contristados dos seus cartões de crédito, para defender os "valores do Ocidente"?


PS: a Zazie e o Lucklucky, claro. Eu não, que sou um cobarde relativista à moda dos homens de letras ( um elogio, dado o iletrado que sou). Mais quantos?

Zazie: ne me quitte pas...
 

posted by FNV on 9:27 da tarde # (7) comments

DELENDA CARTHAGO: Há uma espécie de obstáculo passional-semântico em torno da palavra negociar. O Ocidente, tolerante e democrático, não negoceia com terroristas, ponto final. Perdão: não negoceia com estes terroristas ( com todos os outros já o fizemos). Cum granum salis:

a) Quem são estes terroristas?
b) Não negociamos com eles porque não sabemos onde estão os chefes ou porque os serviçais morrem no local?
c) O que é o "Ocidente"? Rumsfeld ou Zapatero? Nietzsche ou a Madre Teresa de Calcutá?
d) Há quanto tempo começou o "Ocidente" a ser tolerante e democrático? Antes ou depois de Auschwitz?
e) Não querendo negociar, quem estará disposto a varrer do mapa todo e qualquer ninho de baratas, à dentada, se for necessário?
f) Irá organizar-se um Corpo Expedicionário? Vão todos ou só os adultos?
g) Quantas vezes se reerguerá a nova Gomorra? Voltaremos a tempo de ver os netos ou somos todos herdeiros de Ulisses?
 

posted by FNV on 4:46 da tarde # (3) comments

E NÃO ME ARRANJAS ESSA CENA PARA O PAULO ALMEIDA? Segundo Dias Ferreira, ilustre advogado, Miguel estava em período experimental no Benfica.

Mano: eheheh....
 

posted by FNV on 1:45 da tarde # (2) comments

NEGOCIAR ( outra vez): Se continuarmos a imaginar os esquadrões da morte como orgãos independentes, não faz sentido negociar. Se tivermos a coragem de compreender que eles são estruturas articuladas com os poderes árabes, já faz. Em Setembro de 2004, Al-Zarqawi publicava um textinho de 4000 palavras, no qual a páginas tantas avisa os governantes árabes que eles são coniventes com o infiel: "you will go to".
 

posted by FNV on 12:09 da tarde # (7) comments

ONE GOOD LEG: Um número antigo da Foreign Affairs ( Maio/Junho de 2002) é um programa completo. Um "estratega", O'Hanlon, diz que a Operação Liberdade Duradoura no Afeganistão foi uma masterpiece of military creativity and finesse . Mas mais: não importa que Bin-Laden, al-Zahari e outros se tenham evadido, porque a al-Qaeda ficou diminuida, mas por outro lado reconhece que a sua fuga é um major setback. Mas a cereja vem de Rumsfeld, que descrevendo o ataque a Mazar-i-Sharif, nos conta que os americanos fizeram a 1ª carga de cavalaria do século XX, ajudados por um afegão perneta ( só tinha one good leg). Rumsfeld conclui: That day, on the plains of Afghanistan, the nineteenh century met the twenty-first century".
É significativo o salto de um século, na alegoria de Rumsfeld: é o que eu chamo negociar com a História. Esse século é o da oportunidade perdida pela civilização iluminada, é o século da substituição do jogo colonial pelo jogo do petróleo. O tempo não volta para trás, nem mesmo nas planícies do Afeganistão.
 

posted by FNV on 11:48 da manhã # (0) comments

PALAVRAS PARA QUÊ? Segundo percebi do que ouvi na TSF, Freitas do Amaral acha mal que em campanha eleitoral Sócrates tenha garantido que não iria aumentar os impostos. Mais: Freitas do Amaral considera mesmo completamente errado que o tema do aumento ou diminuição dos impostos seja tratado ou usado durante as campanhas eleitorais. Isto porque, ainda segundo a eminência, o aumento ou diminuição dos impostos não depende da boa ou má vontade dos governantes mas sim das necessidades do país, pelo que nem se deveria falar de impostos nas campanhas eleitorais. Palavras para quê? - É um político português no seu melhor estilo!
 

posted by VLX on 11:40 da manhã # (0) comments

GUERRAS II: Não se trata de saber o que se pode oferecer a um homem que quer ser um terrorista, trata-se de saber o que se lhe pode tirar para evitar que ele se torne num. Parece-me que o trabalho armado não lhe tira a vontade de combater, pois que lhe dá o suplemento de coragem que eventualmente lhe possa faltar. Os fanáticos religiosos, como a Europa bem sabe, são algo recalcitrantes: querem salvar, e a luta que lhes damos ensina-os a lutar.
Novas coisas terão de ser inventadas, novos são os mundos, inclusive os da imaginação dos assassinos...
 

posted by FNV on 3:18 da manhã # (1) comments

GUERRAS ( I) : O paroquialismo e o provincianismo são as formas europeias da jihad: resistência da periferia contra o centro e contra o cosmopolitismo, estou de acordo com Benjamin Barber, pois que bebemos na mesma fonte, Eisenstadt. E curiosamente foram duas formas de resistência à Modernidade, fosse esta a dos direitos das mulheres ou do lobo ibérico. Qual a linguagem desta jihad europeia? Ódio, temor, em alguns casos extremos ( ETA, IRA, Córsega), violência activa. Quer se queira quer não, existiu nos casos citados, uma ligação ao território inscrita numa critica da cultura. O outro caso, o islâmico, apresenta uma novidade: um fundamento religioso, por sua vez enroupado num território distante, tornado próximo não pela TV, mas pela presença dos cadáveres em solo europeu. Tanto bastou para que se tivessem por certas duas premissas: a) O ( único?) Islão bom é o Islão moderado. b) Há muçulmanos bons e muçulmanos maus, sendo os primeiros claramente mais frequentáveis.
Lamento dizê-lo, mas esta é uma abordagem claramente neo-colonial, reservando o termo pós-colonial para o corpo de estudos gerado a partir das descolonizações. É uma abordagem neo-colonial porque pretende representar o oriente próximo ( de nós) como devendo-ser: moderado, secular, democrático. Durante todo o século XIX ( basta ler o Divan de Goethe ou o Livro da Selva de Kipling), o Oriente foi representado como outra coisa, como algo de diferente, e por isso devendo ser conquistado. Até Marx disse, a propósito dos indianos, e malgré o aparelho colonial britânico : não se sabem representar, têm de ser representados. Esta é a cartilha pós-colonial. Mas se assim o pensamos, assim o fizemos, como se sabe,
Pois bem, duas partes de guerra depois, a segunda metade do século XX assistiu à exportação da laicização sobre um espaço desfigurado. O resultado, no Irão, foi emblemático: regresso às origens, aquelas origens que administração colonial, apesar de tudo, nunca removeu: Deus, tradição, recusa da Modernidade. Era disto que Massignon falava, quando preconizou um duelo final. A blogosfera iraniana - até porque afastada da militância sunita - é um campo elucidativo para compreender o embaraço: que fazer?
Um dos pontos é este: estando em curso uma guerra, como relembrou Pacheco Pereira ( e agora parece que já há gente a concordar com isto), é uma guerra de quem contra quem? Do Ocidente civilizado com um grupelho de fanáticos, dizem alguns, muito sérios. Mas desde quando é que uma cultura inteira, uma civilização, chamem-lhe o que quiserem , guerreia um grupelho de fanáticos, ou vice-versa? Tomar estas acções unicamente pelo seu tenebroso valor facial - mortos e destruição - é o que nos leva a não compreender como pode um inglês, Mr Khan, empregado numa creche, tornar-se um bombista suicida.
Há uma guerra, sim. Uma guerra surda, viela a viela, na qual os terroristas são apenas um dos esquadrões mortais. Negociar nesta guerra, significa negociar viela a viela, letra a letra, homem a homem. Significa estar disposto a ceder na exportação da tradição iluminista ocidental, nas representações do muçulmano como-ele-deve-ser. A Europa, noutro tempo, e já no da secularização e do primado da Razão, aceitou negociar o mundo, mudando-o apenas o quanto baste para se poder servir dele. Agora, terá de aprender a negociar para sobreviver a ele. Enquanto os muçulmanos que vivem em Montpellier ou em Leeds, puderem viver pela Fiqh, em ilhas "culturalmente diversas" como dizem os humanistas, os que ainda vivem em Bassorá ou em Kabul serão apenas náufragos-orfãos: têm a Fiqh, mas não a ilha (da segurança social).
A verdade da linguagem é uma colecção de metáforas e de repetições funcionais: negociemos com tudo o que se mexa, negociemos com líderes islâmicos de madrassas europeias, negociemos com oulemas desavindos da ortodoxia, negociemos com alguém que esteja disposto a deixar de ser terrorista. Mas para além do terror assassino, há uma coisa com a qual não se negoceia; com a História. Pretender que o mundo começou em 1948 é um péssimo começo; pretender que se está em guerra apenas com um bando armado, um péssimo fim.

(continua)
 

posted by FNV on 1:42 da manhã # (3) comments

ARAME FARPADO: 2 - POR UMA EUROPA VERDADEIRAMENTE SEGURA: Pensando bem, M. Sarkozy pode ter descoberto o remédio para rejeter tous les vices, repousser tous les mals.
Bote-se-lhe arame à volta do território (ahhhh... o território, o território...).
E depois, farpem-se as divisas dos distritos, isolem-se os concelhos.
As cidades: utilizem-se de novo as portas, o velho ao serviço do novo para resolver problemas velhos - cada Barbacã, seu guarda, cada Raimundo, seu vigia, cada Traição, seu patriota.
E nos bairros extensos: cancelas. Com fio eléctrico e cacos de vidro nos limites.
Estimule-se a delação: filho, o teu Pai é o Estado.
Exibição obrigatória do BI na compra de um isqueiro.
Certificado de registo criminal para as férias de neve em Baqueira.
Registo obrigatório dos fiéis de todas (égalité) as crenças.
Eh oui, c'est la folie.

 

posted by PC on 12:18 da manhã # (0) comments

segunda-feira, julho 18:

ARAME FARPADO: 1 - POEIRA PARA OS OLHOS: Já se sabe que os tempos não estão para liberdades. Ainda assim, surpreende-me que ninguém esteja muito ralado com a suspensão dos Acordos de Schengen pela França. Por várias razões.
Em primeiro lugar, porque não devemos olhar para aquela decisão como meros observadores externos, que comentam actos alheios: Portugal é Parte na Convenção de Aplicação do Acordo de Schengen. Uma convenção cria direitos e obrigações e, até ao momento, os cidadãos portugueses tinham direito a entrar em França sem estar sujeitos a controlos fronteiriços (obviamente, desde que não viessem de fora do Espaço Schengen). O que significa que a decisão da França afecta a liberdade de circulação dos cidadãos portugueses.
Seguidamente, há que saber se ela foi tomada de acordo com o que se prevê na Convenção de Aplicação (art. 2º, nº 2), onde, de facto, se permite a reintrodução temporária dos controlos fronteiriços por razões de "ordem pública ou de segurança nacional". A este propósito, é elucidativo o soundbyte emitido por Sarkozy: "se não reforçarmos os controlos nas fronteiras quando cerca de 50 pessoas são mortas em Londres, não sei quando o faremos".
Sim, esta justificação é muito apelativa na sua manhosa simplicidade. Mas se a olharmos mais detidamente, vemos que: 1) a França não reintroduziu os controlos fronteiriços no 11 de Março, onde morreu mais gente, mais perto, e não parece que isso lhe tenha trazido grandes problemas; 2) o problema da França com as bombas de Londres não parece ser maior do que o (ou diferente do) dos restantes países europeus - pode até ser menor, atendendo à sua política externa relativamente ao Iraque e ao conflito israelo-palestiniano; 3) é uma manipulação levantar o medo contra o que vem de fora a propósito de atentados cometidos por quem era de dentro; 4) ninguém no seu perfeito juízo acredita que os controlos fronteiriços sejam um meio eficaz de evitar a entrada de terroristas daquele calibre.
De maneira que a França, dando rédea solta ao pior da sua tradicional pulsão isolacionista, acaba de violar, com o beneplácito dos restantes Países, os deveres que assumiu na Convenção de Aplicação de Schengen.
Claro, há sempre quem se sinta mais seguro por ter de mostrar o passaporte quando vai comprar caramelos a Fuentes d'Oñoro.


PS: A suspensão da liberdade de circulação não implica a suspensão do Sistema de Informação Schengen (SIS), que continua a funcionar em pleno. Obviamente.

 

posted by PC on 8:25 da tarde # (1) comments

NEG-OTIUM: Quanto mais não seja, negar o ócio do pensamento; por exemplo, o das simplificações estribadas em certezas de pacotilha. No assunto do novo terror, claro, mas sobretudo no assunto da representação do mundo. Boa altura ( a necessária?), sem dúvida.. Para breve mais um par de textos, em volta da coisa. Para continuar o debate com o Afonso Bivar, do Bombyx, com o Paulo Gorjão, com o Pacheco Pereira, com o João Morgado Fernandes, com o Luís do Mal, com os leitores/participantes ( a Ccnvc, o lucklucky, etc), com todos os os que não cederem ao ócio.

PS: O meu Mac não faz links, e hoje são demasiados para pedir ao PC que mos faça. As minhas desculpas a todos.


Cara Zazie: tudo isso já foi tentado, e pelo nosso PC, mais competente do que eu. Népias, Zero. Niet. A todos os outros: obrigado pela ajuda.
 

posted by FNV on 1:35 da tarde # (14) comments

Da série "O QUE É O TEMPO?": É uma mania. Na mania psicótica, é aquilo que é distorcido incessantemente; é o que um linguista francês ( Gustave Guillaume) nomeia, no sistema verbal, de tema da inversão infinita. Para o maníaco, o tempo vem do futuro. No outro dia, dizia-me um mulher nesse estado, que ia abrir um bar, que já tinha falado com dois sócios. Claro que nada disso tinha ocorrido, a ideia acabara de lhe surgir durante a conversa comigo. Mas ela já estava a contar-me um passado acabadinho de vir do futuro.
 

posted by FNV on 12:18 da tarde # (0) comments

Da série "O QUE É O TEMPO?": É uma bala. Walter Benjamim conta que no primeiro dia de combate da Revolução, verificou-se que em vários locais de Paris, independentemente e no mesmo momento, se tinha disparado contra os vários relógios murais: Atiravam sobre os quadrantes para parar o dia.
 

posted by FNV on 11:42 da manhã # (0) comments

domingo, julho 17:

Da série "O QUE É O TEMPO?": É um advérbio. Os hopi não dizem do Verão que "está quente", porque "Verão" é a qualidade "quente", exactamente como uma maçã tem a qualidade "vermelha". Créditos do Edward T. Hall, claro.
 

posted by FNV on 9:15 da tarde # (2) comments

Da série "O QUE É O TEMPO ?" : É o de Borges, recordando Boileau: O tempo passa no momento em que uma coisa já está longe de mim.
 

posted by FNV on 6:55 da tarde # (1) comments


This site is powered by Blogger because Blogger rocks!



Mar de opinioes, ideias e comentarios. Para marinheiros e estivadores, sereias e outras musas, tubaroes e demais peixe graudo, carapaus de corrida e todos os errantes navegantes.

Velhos lobos do mar

Tripulação
Filipe Nunes Vicente (FNV)
Nuno Mota Pinto (NMP)
Vasco Lobo Xavier (VLX)
Ze Pedro Dordio (Neptuno)

Mensagens SOS
lobosdomar2 at gmail.com

Subscribe in a reader

Vagas de Fundo
35 mm
A a Z (Nuno Judice)
A Bordo
A Destreza das Dúvidas
A Espuma dos Dias
A Invencao de Morel
A Mesa de Cafe
A Montanha Magica
A Natureza do Mal
A Origem das Especies
A Terceira Noite
A Voz do Deficiente
Aba de Heisenberg
Actual
Adufe
Aforismos e Afins
Albergue Espanhol
Alexandre Soares Silva
Almanaque Republicano
Almocreve das Petas
Amor e Ocio
Angulo Morto
Aurea Mediocritas
Azul Cobalto
Babugem
Bandeira ao Vento
Beco das Imagens
Bem pelo Contrario
Bibliotecario de Babel
...bl-g- -x-st-
Bloguitica
Blogues - Parlamento
Bombyx-mori
Camara Corporativa
Camara de Comuns
Campo de Afectos
Carreira da India
Casa em Construcao
Casmurro
Choque de Geracoes
Citador
Cocanha
Companhia de Mocambique
Complexidade e Contradicao
Conta Natura
Contrafactos
Contra Indicado
Corta Fitas
Critico Musical
Daily Make-Up
Da Literatura
Delito de Opiniao
Defender o Quadrado
Der Terrorist
Dias Felizes
DOTeCOMe
Educacao Sentimental
Escrito a Lapis
Esplanar
Esquina do Rio
Essencial ou Acessorio
Estado Civil
Estado do Sitio
Estudos sobre o Comunismo
Estrangeirados
Eternuridade
Foram-se os Aneis/Os Dedos
Futuro Presente
G. Civil Espanhola
Gavea
Gloria Facil
hARDbLOG
Hipatia
Hole Horror
Hotel Sossego
Ilhas
Humanae Litterae
Imprensa Internacional
Industrias Culturais
Intima Fraccao
Janela para o Rio
Jansenista
Joel Neto
Klepsydra
Lampada Magica
Lei Seca
Leitura Partilhada
letraminuscula
LER (Revista)
Margens de Erro
Mas certamente que sim!
Ma-Schamba
Mau Tempo no Canil
Medico Explica
Mel com Cicuta
Melancomico
Memoria Inventada
Memoria Virtual
Metablog
Minha Rica Casinha
Miniscente
Miss Pearls
Modus Vivendi
Mostarda
Nariz de Ferro
Na Trilha de Moebius
No Arame
Nonio
O Ceu sobre Lisboa
O Jardim Asssombrado
O Mocho
O Pulo do Gato
O Sinico
O Regresso a Veneza
O Valor das Ideias
Oficina das Ideias
Passado/Presente
Pastoral Portuguesa
Pastilhas
Periferica
Pobre e Mal Agradecido
Portugal Contemporaneo
Portugal dos Pequeninos
Prazer Inculto
Professorices
Prosa Solta
Quadratura do Circulo
Quase em Portugues
Quase Famosos
Quatro Caminhos
Quezia
A Reforma da Justica
Renas e Veados
Respirar o mesmo Ar
Respublica
Retorica e Persuasao
Retorta
Rocketboom
Roma Antiga
Rua da Castela
Rua da Judiaria
Senhor Palomar
Sentidos da Vida
Seta Despedida
Sete Sombras
Sitio dos Haikais
Sobre o tempo que passa
Sociedade Harmonia
Solvstag
Sopa de Pedra
Sound+Vision
SOS Racismo
Spectrum
Suction with Valchek
Sulmoura
Sushi Leblon
Tempo Dual
Terra da Alegria
Textos de Contracapa 2
Tomara que caia
Torreao Sul
True Lies
Turing Machine
Um blog sobre Kleist
Uniao de Facto
Universos Desfeitos
Vida Breve
Vitriolica webb's ite
Xupacabras
White Rabbit

O bom bordo
A Arte da Fuga
A Causa foi Modificada
ABC do PPM
Abrupto
Acho eu
Almariado
Azimutes
Blasfemias
Blogue dos Marretas
Blue Lounge
Bomba Inteligente
Caminhos Errantes
Causa Liberal
Contra a Corrente
Desesperada Esperanca
Esmaltes e Joias
Fumacas
Gattopardo
Gato do Cheshire
Homem a Dias
Impertinencias
Loja do Queijo Limiano
Nem Tanto ao Mar...
Nortadas
Notas Soltas
O Cachimbo de Magritte
O Insubmisso
O Insurgente
O Sitio (JP Coutinho)
Observador
4R - Quarta Republica
Republicas Mortas
Sexta Coluna
Traducao Simultanea
Tomar Partido
31 da Armada
Vasco Campilho
Virtualidades
Vox Pop (Paulo Gorjao)
Voz do Deserto

O outro bordo
2+2=5
A Barbearia do Sr. Luis
Abrangente
Anti-Direita Portuguesa
Arquivo (Pedro Adao e Silva)
Arrastao
Aspirina B
Avatares de Desejo
Avesso do Avesso
Bicho Carpinteiro
Blogo Social Portugues
Causa Nossa
Cinco Dias
Cobra Cuspideira
Descredito
Ex-Ivan Nunes
French kissin'
Forum Cidade
Grao de Areia
Hoje ha Conquilhas...
Independencias
Irmao Lucia
Irreflexoes
Jugular
Ladroes de Bicicletas
Laranja Amarga
Linha de Conta
O Amigo do Povo
O Canhoto
O Tempo das Cerejas
Os Tempos que Correm
Pais Relativo
Palavra Aberta
Peao
Puxa Palavra
Tempo dos Assassinos
Zero de Conduta

Boa Onda
100nada
7000 Nomes
3 Tesas
A Espada Relativa
A Origem do Amor
A Tasca
A Toca do Gato
Abobada Palatina
Abutres
Albergue dos Danados
Alcagoita
Alfacinha
Amicus Ficaria
Anarca Constipado
Ardazorelhas
Armada Invisivel
Azul Limao
Balta-zar
Bazonga da Kilumba
Beatas
Big-head Motel
Blog Sem Nome
Blogame Mucho
Blogotinha
Blogue dos Putos
Cao de Guarda
Carta de Amor
Cerco do Porto
Chaparro
Chapeleiro Louco
Cheiro a Torradas
Cibertulia
Cimbalino
Conversa na Travessa
Conversas de Cafe
Controversa Maresia
Cronicas Matinais
Daedalus
Desblogueador de Conversa
Desejo Casar
Dias que Voam
El Coronel
Elogio da Ginja
Epicurtas
Ernesto Cadaval
Exacto
Flores do Campo
Forcas de Blogueio
Gabardina
Gato Fedorento
Grupo do Pato
Hora Absurda
Impensavel
Internet para Domesticas
Intimista
Irmao Lucia
Lapis de Cor
Lapis de Minas
Linha de Cabotagem
Lobi do Cha
Loira Gasta
Mais coisa menos coisa
Maizumpomonte
Manos Metralha
Maus Figados
Meia Livraria
Minimalismo
Ministerio do Bom Senso
Misterio
Morte aos Feios
Mostrengos
Mulheres e Deusas
My Moleskine
Niilista Optimista
No Parapeito
Nucleo Duro
O Anacleto
O Bisturi
O Carimbo
O Jumento
O Piolho da Solum
O Proletario Vermelho
O Velho da Montanha
O Vilacondense
Ocidental Praia
Office Lounging
Opinion Desmaker
Os Outros de Nos
Outro lado da Lua
Papoila
Pirilampo Magico
Planeta-Reboque
Ponto e Virgula
Rata Maluka
Revisao da Materia
Sabor a Sal
Santa Ignorancia
Sebenta
Sem Penis nem Inveja
Sem querer penso
Ser Portugues (ter que)
Sexo dos Anjos
Silhuetas
Sociedade Anonima
Substrato
The Amazing Trout Blog
The Dying Animal
The Galarzas
The Ultimate Bitaite
Torneiras de Freud
Tragico-Come(r)dia
Trenguices
Tudo menos Politica
Um pouco mais de Sul
Umbigo
Undisclosed-Recipient
Vamos Lixar Tudo
Vela Latina
Womenage a Trois
Xobineski Patruska
XX-XY

Especialistas
A forma do Jazz
Agenda Diplomatica
Arqueoblogo
Arquitectices
Arquivos do Cinefilo
Antonio Reis
Blog de Publicidade
Bola Verde
Caderneta da Bola
Causidicus
Clube de Fas do Jose Cid
Cum grano salis
Dicionario Diplomatico
Direito e Economia
Direitos
Empreender
Epiderme (Arquitectura)
Futeblog Total
Futebol Mesmo
Incursoes
Intervencoes Sonoras
Lifecooler (Turismo)
Maes (e pais tambem)
Maritimo
Megafone (Futebol)
Metablogue
Naufragium
Nietzsche e Schopenhauer
Noite Escura (Musica)
Notas Formais
Notas Verbais
O Cozinheiro
O Gang (Arquitectura)
Pardalitos do Choupal
O Portista
O Projecto (Arquitectura)
Ondas (Surf)
Respirar o mesmo ar
Sangue Leonino
Sempre Briosa
Sex in Lisbon
Simplesmente Briosa
Socio(B)logue 2.0
Teatro no Ar
Terceiro Anel
The Serendipitous Cacophonies
Toiradas
Upgrade
Ultimatos
Venda-se (Economia)
Via Rapida (Musica)
Vidro Azul (RUC)

Bussolas
Bloco de Notas
Blog Clipping
Blogo
Blogolicos Anonimos
Blogueio
Jornalismo e Comunicacao
Ponto Media
PTBloggers
Technorati Beta
Weblog em Portugal

Pessoal da Estiva
A Cagada
A Minha Pilinha
Adoro Mulheres
Merdas do Costume
O Meu Pipi
O Periodo
O Pipi vai nu
Penis Desorientado

Armada Invencivel
Uniao Blogues Livres

Homens ao Mar
A Mao Invisivel
A Praia
A Saga do Povo Portugues
ABsurdo
Aquele Outro
Aqui nao ha Poeta
Aviz
Barnabe
Blogo vos vejo
Blog de Esquerda (I)
Blog de Esquerda (II)
Bloguitica Internacional
Bloguitica Nacional
BZR
Caminhante
Catalaxia
Cidadao Livre
Coluna Infame
Comprometido Espectador
Conta Corrente
Criticar os Blogues
Cristovao de Moura
Cruzes Canhoto
De Direita
De Esquerda
Descobrimentos
Dicionario do Diabo
E a Cultura, Estupido
Einstein
Espigas ao Vento
Espigas ao Vento (II)
Estudos sobre o Comunismo (I)
Extravaganza-2003
Flor de Obsessao
Farpas
Fora do Mundo
French kissin'
Freira Dadaista
Heterodoxias
Intelligo
Janela Indiscreta
Jaquinzinhos
Latinista Ilustre
Lerias
Liberdade de Expressao
Linhas Tortas
Lista de Blogs
Macjete
Mata Mouros
Mephistofeles
Meridiano
Xanelcinco
Mukankala
Murmurios do Silencio
Nacional Porreirismo
Nao esperem nada de mim
No Quinto dos Imperios
O Complot
O Espectro
O Estado das Coisas
O Franco Atirador
O Maranhao
O Sinedrio
Outro, eu
Pais Relativo
Palavrar
Pano para mangas
Pela Santa Liberdade
Portugal e Arredores
Posto de Escuta
Pula Pulga
Quarta Vaga
Ref. Azul Electrico
Replicar
Revista Atlantico
Ruim
Socio(B)logue
Terras do Nunca
Thomaz vs. Cunhal
Tugir
Valete Fratres
Vendedora Peganhenta
Via da Verdade
Vitamina C
What do you represent
Whisky2000

Translate
Traducao

Arquivo
05/04/2003 - 05/11/2003 05/11/2003 - 05/18/2003 05/18/2003 - 05/25/2003 05/25/2003 - 06/01/2003 06/01/2003 - 06/08/2003 06/08/2003 - 06/15/2003 06/15/2003 - 06/22/2003 06/22/2003 - 06/29/2003 06/29/2003 - 07/06/2003 07/06/2003 - 07/13/2003 07/13/2003 - 07/20/2003 07/20/2003 - 07/27/2003 07/27/2003 - 08/03/2003 08/03/2003 - 08/10/2003 08/10/2003 - 08/17/2003 08/17/2003 - 08/24/2003 08/24/2003 - 08/31/2003 08/31/2003 - 09/07/2003 09/07/2003 - 09/14/2003 09/14/2003 - 09/21/2003 09/21/2003 - 09/28/2003 09/28/2003 - 10/05/2003 10/05/2003 - 10/12/2003 10/12/2003 - 10/19/2003 10/19/2003 - 10/26/2003 10/26/2003 - 11/02/2003 11/02/2003 - 11/09/2003 11/09/2003 - 11/16/2003 11/16/2003 - 11/23/2003 11/23/2003 - 11/30/2003 11/30/2003 - 12/07/2003 12/07/2003 - 12/14/2003 12/14/2003 - 12/21/2003 12/21/2003 - 12/28/2003 12/28/2003 - 01/04/2004 01/04/2004 - 01/11/2004 01/11/2004 - 01/18/2004 01/18/2004 - 01/25/2004 01/25/2004 - 02/01/2004 02/01/2004 - 02/08/2004 02/08/2004 - 02/15/2004 02/15/2004 - 02/22/2004 02/22/2004 - 02/29/2004 02/29/2004 - 03/07/2004 03/07/2004 - 03/14/2004 03/14/2004 - 03/21/2004 03/21/2004 - 03/28/2004 03/28/2004 - 04/04/2004 04/04/2004 - 04/11/2004 04/11/2004 - 04/18/2004 04/18/2004 - 04/25/2004 04/25/2004 - 05/02/2004 05/02/2004 - 05/09/2004 05/09/2004 - 05/16/2004 05/16/2004 - 05/23/2004 05/23/2004 - 05/30/2004 05/30/2004 - 06/06/2004 06/06/2004 - 06/13/2004 06/13/2004 - 06/20/2004 06/20/2004 - 06/27/2004 06/27/2004 - 07/04/2004 07/04/2004 - 07/11/2004 07/11/2004 - 07/18/2004 07/18/2004 - 07/25/2004 07/25/2004 - 08/01/2004 08/01/2004 - 08/08/2004 08/08/2004 - 08/15/2004 08/15/2004 - 08/22/2004 08/22/2004 - 08/29/2004 08/29/2004 - 09/05/2004 09/05/2004 - 09/12/2004 09/12/2004 - 09/19/2004 09/19/2004 - 09/26/2004 09/26/2004 - 10/03/2004 10/03/2004 - 10/10/2004 10/10/2004 - 10/17/2004 10/17/2004 - 10/24/2004 10/24/2004 - 10/31/2004 10/31/2004 - 11/07/2004 11/07/2004 - 11/14/2004 11/14/2004 - 11/21/2004 11/21/2004 - 11/28/2004 11/28/2004 - 12/05/2004 12/05/2004 - 12/12/2004 12/12/2004 - 12/19/2004 12/19/2004 - 12/26/2004 12/26/2004 - 01/02/2005 01/02/2005 - 01/09/2005 01/09/2005 - 01/16/2005 01/16/2005 - 01/23/2005 01/23/2005 - 01/30/2005 01/30/2005 - 02/06/2005 02/06/2005 - 02/13/2005 02/13/2005 - 02/20/2005 02/20/2005 - 02/27/2005 02/27/2005 - 03/06/2005 03/06/2005 - 03/13/2005 03/13/2005 - 03/20/2005 03/20/2005 - 03/27/2005 03/27/2005 - 04/03/2005 04/03/2005 - 04/10/2005 04/10/2005 - 04/17/2005 04/17/2005 - 04/24/2005 04/24/2005 - 05/01/2005 05/01/2005 - 05/08/2005 05/08/2005 - 05/15/2005 05/15/2005 - 05/22/2005 05/22/2005 - 05/29/2005 05/29/2005 - 06/05/2005 06/05/2005 - 06/12/2005 06/12/2005 - 06/19/2005 06/19/2005 - 06/26/2005 06/26/2005 - 07/03/2005 07/03/2005 - 07/10/2005 07/10/2005 - 07/17/2005 07/17/2005 - 07/24/2005 07/24/2005 - 07/31/2005 07/31/2005 - 08/07/2005 08/07/2005 - 08/14/2005 08/14/2005 - 08/21/2005 08/21/2005 - 08/28/2005 08/28/2005 - 09/04/2005 09/04/2005 - 09/11/2005 09/11/2005 - 09/18/2005 09/18/2005 - 09/25/2005 09/25/2005 - 10/02/2005 10/02/2005 - 10/09/2005 10/09/2005 - 10/16/2005 10/16/2005 - 10/23/2005 10/23/2005 - 10/30/2005 10/30/2005 - 11/06/2005 11/06/2005 - 11/13/2005 11/13/2005 - 11/20/2005 11/20/2005 - 11/27/2005 11/27/2005 - 12/04/2005 12/04/2005 - 12/11/2005 12/11/2005 - 12/18/2005 12/18/2005 - 12/25/2005 12/25/2005 - 01/01/2006 01/01/2006 - 01/08/2006 01/08/2006 - 01/15/2006 01/15/2006 - 01/22/2006 01/22/2006 - 01/29/2006 01/29/2006 - 02/05/2006 02/05/2006 - 02/12/2006 02/12/2006 - 02/19/2006 02/19/2006 - 02/26/2006 02/26/2006 - 03/05/2006 03/05/2006 - 03/12/2006 03/12/2006 - 03/19/2006 03/19/2006 - 03/26/2006 03/26/2006 - 04/02/2006 04/02/2006 - 04/09/2006 04/09/2006 - 04/16/2006 04/16/2006 - 04/23/2006 04/23/2006 - 04/30/2006 04/30/2006 - 05/07/2006 05/07/2006 - 05/14/2006 05/14/2006 - 05/21/2006 05/21/2006 - 05/28/2006 05/28/2006 - 06/04/2006 06/04/2006 - 06/11/2006 06/11/2006 - 06/18/2006 06/18/2006 - 06/25/2006 06/25/2006 - 07/02/2006 07/02/2006 - 07/09/2006 07/09/2006 - 07/16/2006 07/16/2006 - 07/23/2006 07/23/2006 - 07/30/2006 07/30/2006 - 08/06/2006 08/06/2006 - 08/13/2006 08/13/2006 - 08/20/2006 08/20/2006 - 08/27/2006 08/27/2006 - 09/03/2006 09/03/2006 - 09/10/2006 09/10/2006 - 09/17/2006 09/17/2006 - 09/24/2006 09/24/2006 - 10/01/2006 10/01/2006 - 10/08/2006 10/08/2006 - 10/15/2006 10/15/2006 - 10/22/2006 10/22/2006 - 10/29/2006 10/29/2006 - 11/05/2006 11/05/2006 - 11/12/2006 11/12/2006 - 11/19/2006 11/19/2006 - 11/26/2006 11/26/2006 - 12/03/2006 12/03/2006 - 12/10/2006 12/10/2006 - 12/17/2006 12/17/2006 - 12/24/2006 12/24/2006 - 12/31/2006 12/31/2006 - 01/07/2007 01/07/2007 - 01/14/2007 01/14/2007 - 01/21/2007 01/21/2007 - 01/28/2007 01/28/2007 - 02/04/2007 02/04/2007 - 02/11/2007 02/11/2007 - 02/18/2007 02/18/2007 - 02/25/2007 02/25/2007 - 03/04/2007 03/04/2007 - 03/11/2007 03/11/2007 - 03/18/2007 03/18/2007 - 03/25/2007 03/25/2007 - 04/01/2007 04/01/2007 - 04/08/2007 04/08/2007 - 04/15/2007 04/15/2007 - 04/22/2007 04/22/2007 - 04/29/2007 04/29/2007 - 05/06/2007 05/06/2007 - 05/13/2007 05/13/2007 - 05/20/2007 05/20/2007 - 05/27/2007 05/27/2007 - 06/03/2007 06/03/2007 - 06/10/2007 06/10/2007 - 06/17/2007 06/17/2007 - 06/24/2007 06/24/2007 - 07/01/2007 07/01/2007 - 07/08/2007 07/08/2007 - 07/15/2007 07/15/2007 - 07/22/2007 07/22/2007 - 07/29/2007 07/29/2007 - 08/05/2007 08/05/2007 - 08/12/2007 08/12/2007 - 08/19/2007 08/19/2007 - 08/26/2007 08/26/2007 - 09/02/2007 09/02/2007 - 09/09/2007 09/09/2007 - 09/16/2007 09/16/2007 - 09/23/2007 09/23/2007 - 09/30/2007 09/30/2007 - 10/07/2007 10/07/2007 - 10/14/2007 10/14/2007 - 10/21/2007 10/21/2007 - 10/28/2007 10/28/2007 - 11/04/2007 11/04/2007 - 11/11/2007 11/11/2007 - 11/18/2007 11/18/2007 - 11/25/2007 11/25/2007 - 12/02/2007 12/02/2007 - 12/09/2007 12/09/2007 - 12/16/2007 12/16/2007 - 12/23/2007 12/23/2007 - 12/30/2007 12/30/2007 - 01/06/2008 01/06/2008 - 01/13/2008 01/13/2008 - 01/20/2008 01/20/2008 - 01/27/2008 01/27/2008 - 02/03/2008 02/03/2008 - 02/10/2008 02/10/2008 - 02/17/2008 02/17/2008 - 02/24/2008 02/24/2008 - 03/02/2008 03/02/2008 - 03/09/2008 03/09/2008 - 03/16/2008 03/16/2008 - 03/23/2008 03/23/2008 - 03/30/2008 03/30/2008 - 04/06/2008 04/06/2008 - 04/13/2008 04/13/2008 - 04/20/2008 04/20/2008 - 04/27/2008 04/27/2008 - 05/04/2008 05/04/2008 - 05/11/2008 05/11/2008 - 05/18/2008 05/18/2008 - 05/25/2008 05/25/2008 - 06/01/2008 06/01/2008 - 06/08/2008 06/08/2008 - 06/15/2008 06/15/2008 - 06/22/2008 06/22/2008 - 06/29/2008 06/29/2008 - 07/06/2008 07/06/2008 - 07/13/2008 07/13/2008 - 07/20/2008 07/20/2008 - 07/27/2008 07/27/2008 - 08/03/2008 08/17/2008 - 08/24/2008 08/24/2008 - 08/31/2008 08/31/2008 - 09/07/2008 09/07/2008 - 09/14/2008 09/14/2008 - 09/21/2008 09/21/2008 - 09/28/2008 09/28/2008 - 10/05/2008 10/05/2008 - 10/12/2008 10/12/2008 - 10/19/2008 10/19/2008 - 10/26/2008 10/26/2008 - 11/02/2008 11/02/2008 - 11/09/2008 11/09/2008 - 11/16/2008 11/16/2008 - 11/23/2008 11/23/2008 - 11/30/2008 11/30/2008 - 12/07/2008 12/07/2008 - 12/14/2008 12/14/2008 - 12/21/2008 12/21/2008 - 12/28/2008 12/28/2008 - 01/04/2009 01/04/2009 - 01/11/2009 01/11/2009 - 01/18/2009 01/18/2009 - 01/25/2009 01/25/2009 - 02/01/2009 02/01/2009 - 02/08/2009 02/08/2009 - 02/15/2009 02/15/2009 - 02/22/2009 02/22/2009 - 03/01/2009 03/01/2009 - 03/08/2009 03/08/2009 - 03/15/2009 03/15/2009 - 03/22/2009 03/22/2009 - 03/29/2009 03/29/2009 - 04/05/2009 04/05/2009 - 04/12/2009 04/12/2009 - 04/19/2009 04/19/2009 - 04/26/2009 04/26/2009 - 05/03/2009 05/03/2009 - 05/10/2009 05/10/2009 - 05/17/2009 05/17/2009 - 05/24/2009 05/24/2009 - 05/31/2009 05/31/2009 - 06/07/2009 06/07/2009 - 06/14/2009 06/14/2009 - 06/21/2009 06/21/2009 - 06/28/2009 06/28/2009 - 07/05/2009 07/05/2009 - 07/12/2009 07/12/2009 - 07/19/2009 07/19/2009 - 07/26/2009 07/26/2009 - 08/02/2009 08/02/2009 - 08/09/2009 08/09/2009 - 08/16/2009 08/16/2009 - 08/23/2009 08/23/2009 - 08/30/2009 08/30/2009 - 09/06/2009 09/06/2009 - 09/13/2009 09/13/2009 - 09/20/2009 09/20/2009 - 09/27/2009 09/27/2009 - 10/04/2009 10/04/2009 - 10/11/2009 10/11/2009 - 10/18/2009 10/18/2009 - 10/25/2009 10/25/2009 - 11/01/2009 11/01/2009 - 11/08/2009 11/08/2009 - 11/15/2009 11/15/2009 - 11/22/2009 11/22/2009 - 11/29/2009 11/29/2009 - 12/06/2009 12/06/2009 - 12/13/2009 12/13/2009 - 12/20/2009 12/20/2009 - 12/27/2009 12/27/2009 - 01/03/2010 01/03/2010 - 01/10/2010 01/10/2010 - 01/17/2010 01/17/2010 - 01/24/2010 01/24/2010 - 01/31/2010 01/31/2010 - 02/07/2010 02/07/2010 - 02/14/2010 02/14/2010 - 02/21/2010 02/21/2010 - 02/28/2010 02/28/2010 - 03/07/2010 03/07/2010 - 03/14/2010 03/14/2010 - 03/21/2010 03/21/2010 - 03/28/2010 03/28/2010 - 04/04/2010 04/04/2010 - 04/11/2010 04/11/2010 - 04/18/2010 04/18/2010 - 04/25/2010 04/25/2010 - 05/02/2010 05/02/2010 - 05/09/2010 05/09/2010 - 05/16/2010 05/16/2010 - 05/23/2010 05/23/2010 - 05/30/2010 05/30/2010 - 06/06/2010 06/06/2010 - 06/13/2010 06/13/2010 - 06/20/2010 06/20/2010 - 06/27/2010 06/27/2010 - 07/04/2010 07/18/2010 - 07/25/2010 07/25/2010 - 08/01/2010 08/01/2010 - 08/08/2010 08/08/2010 - 08/15/2010 08/15/2010 - 08/22/2010 08/22/2010 - 08/29/2010 08/29/2010 - 09/05/2010 09/05/2010 - 09/12/2010 09/12/2010 - 09/19/2010 09/19/2010 - 09/26/2010 09/26/2010 - 10/03/2010 10/03/2010 - 10/10/2010 10/10/2010 - 10/17/2010 10/17/2010 - 10/24/2010 10/24/2010 - 10/31/2010 10/31/2010 - 11/07/2010 11/07/2010 - 11/14/2010 11/14/2010 - 11/21/2010 11/21/2010 - 11/28/2010 11/28/2010 - 12/05/2010 12/05/2010 - 12/12/2010 12/12/2010 - 12/19/2010 12/19/2010 - 12/26/2010 12/26/2010 - 01/02/2011 01/02/2011 - 01/09/2011 01/09/2011 - 01/16/2011 01/16/2011 - 01/23/2011 01/23/2011 - 01/30/2011 01/30/2011 - 02/06/2011 02/06/2011 - 02/13/2011 02/13/2011 - 02/20/2011 02/20/2011 - 02/27/2011 02/27/2011 - 03/06/2011 03/06/2011 - 03/13/2011 03/13/2011 - 03/20/2011 03/20/2011 - 03/27/2011 03/27/2011 - 04/03/2011 04/03/2011 - 04/10/2011 04/10/2011 - 04/17/2011 04/17/2011 - 04/24/2011 04/24/2011 - 05/01/2011 05/01/2011 - 05/08/2011 05/08/2011 - 05/15/2011 05/15/2011 - 05/22/2011 05/22/2011 - 05/29/2011 05/29/2011 - 06/05/2011 06/05/2011 - 06/12/2011 06/12/2011 - 06/19/2011 06/19/2011 - 06/26/2011 06/26/2011 - 07/03/2011 07/03/2011 - 07/10/2011 07/10/2011 - 07/17/2011 07/17/2011 - 07/24/2011 08/07/2011 - 08/14/2011 08/21/2011 - 08/28/2011 10/09/2011 - 10/16/2011 10/23/2011 - 10/30/2011 11/06/2011 - 11/13/2011 11/27/2011 - 12/04/2011 12/11/2011 - 12/18/2011 12/18/2011 - 12/25/2011 01/08/2012 - 01/15/2012 02/05/2012 - 02/12/2012 02/26/2012 - 03/04/2012